Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Carlão
No comando: CARLÃO

Das 00:00 às 23:59

‘É amor e renda extra’, diz costureiro que chega a faturar R$ 15 mil na quadra junina

Compartilhe:
20180517-170546

Movimentações juninas já iniciaram em Macapá e aquecem vários setores da economia. Ateliê de Charles Mira trabalha exclusivamente para a época. Tem quadrilha que já investiu mais de R$ 40 mil este ano.

O período junino já iniciou em Macapá. A festa tem um importante papel econômico, com geração de empregos e renda, e entre os espaços que mais recebem investimentos em serviços estão os ateliês de costuras. Nessa época, o estilista e costureiro Charles Mira chega a faturar mais de R$ 15 mil.                                              O trabalho é voltado inteiramente aos festejos de São João. Outras encomendas ele afirma que vai voltar a receber somente após junho.                                                      “Chego a ficar de quatro a cinco dias sem dormir direito, só no café. A quadra junina é uma brincadeira séria, a gente gasta e ganha dinheiro. Aqui a costura iniciou no final de abril e todos da família auxiliam. É muito amor, junto com renda extra”, contou Mira.                                                                                                                      Costura, borda, pinta, confecciona anáguas e folhos, customiza chapéus e sapatos. O trabalho é grande e intenso. Somente para o grupo do qual faz parte e no qual também ocupa a função de coreografo, Charles tem que entregar, até sábado (19), o total de 50 roupas, para os 25 pares de brincantes.                                                        Para dar conta do compromisso, ele conta com a ajuda integral da família. Cinco pessoas trabalham com ele, entre irmãos, mãe e o pai, cada um tem uma função. Maria das Graças é uma das auxiliares e, para ela, o período é de alegria.                                                                                                                                                              “Meu filho faz parte de quadrilha há mais de 20 anos e todos os anos a minha casa vira ateliê. É uma alegria. Eu amo tudo isso. Faço os folhos, as anáguas, ajudo nas costuras. Pulo da cama às 5h e venho para a máquina, e todos ganham o seu dinheirinho extra”, falou a mãe de Charles, que tem 62 anos.                                                A costura é apenas uma ponta da cadeia produtiva movimentada pela quadra junina. Diretor do grupo São João, Charles Penha colocou as despesas na ponta do lápis e chegou ao valor de mais de R$ 40 mil já investidos na quadrilha este ano.                                                                                                                                                “Sem dúvida o movimento junino aplica milhões no estado. Geramos dividendos para o comércio local, com sapateiros, customização, soldador, indústria do ferro, coreografos, estilistas, aderecistas, costureiras, ônibus, gráficas, serigrafias, combustível, roupas, marcador. Tem quadrilhas, como a nossa, que trazem profissionais de fora”, pontuou.                                                                                                                                                                                                                                                                      Os materiais são adquiridos no mercado interno, mas também em Beléme em São Paulo, considerados os principais fornecedores do Amapá, para quem atua na quadra junina e também no carnaval.

Penha diz que existem cerca de 70 grupos somente em Macapá, e muitas chegam a gastar acima de R$ 100 mil, tudo para apresentar ao público a melhor performance.                                                                                                                                                                                                                                                                                  Este ano, o Amapá recebe pela primeira vez um festival nacional de quadrilhas juninas. O evento deve reunir 12 quadrilhas de outros estados, no período de 5 a 7 de julho, em Santana. Antecedendo essa agenda, desde abril os grupos começaram a disputar títulos nos pré-festivais que acontecem nos quatro polos municipais.

Deixe seu comentário:

PROVECOM – INTERNET COM QUALIDADE

PROVECOM – INTERNET COM QUALIDADE

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
  • Carlos
    segunda-feira, abr 16. 2018 5:51 PM
    Toca luan 2050
  • admin
    segunda-feira, abr 16. 2018 5:44 PM
    Toca aquela

1